sábado, janeiro 14, 2006

Na ruela de má fama...



A campanha eleitoral está na recta final, felizmente! A mediocridade da intervenção pública da maioria das candidaturas, aliada aos já conhecidos conformismo e falta de cultura política de grande parte dos potenciais eleitores, tem motivado que o que deveria ser um ponto alto na vida democrática do país, o voto livre como corolário da vontade popular, seja banalizado e até enxovalhado por gente oportunista, que faz tudo, e quase consegue, para deitar na lama aquilo que de bom se foi construindo em troca de muita luta, de muito sacrifício, até do da própria vida, de tanta gente boa e corajosa.

Com papas e bolos se enganam os tolos, isto é bem verdade, e fàcilmente observável.

Nesta feira do engano, há mestres e aprendizes, contudo! Não quero aqui designar-me como o desvendador das mentiras, o verdadeiro senhor das verdades, não, eu só quero dizer que a única forma de podermos aferir a qualidade do que nos impingem, é conhecendo, aprendendo com quem sabe, ou estudando. Acontece-me sempre em restaurantes ser enganado quando peço peixe fresco, ou de mar. É certo e sabido que na maior parte das vezes como peixe congelado e ou de viveiro. No fim , para me compensarem, pago como se fosse fresco e de mar. E não vale de nada refilar, ou questionar a qualidade do alimento. Ainda levo rótulo de ignorante ou totó, e além de enganado ainda sou gozado! E de facto só me acontece isso, porque não percebo nada de pesca, nem de peixe, e tenho de admitir que em parte sou culpado do que me acontece. Não que desculpe o principal erro disto tudo, que é a tendência para a vigarice que infelizmente é patente em muita da nossa restauração. A minha defesa tem sido a de só comer peixe em sítios que conheço e onde sei que antes do lucro está o bem servir e a honestidade, que ainda os há, ou ir comer acompanhado por quem sabe distinguir o bom do mau e me vai ensinando qualquer coisa.

É assim com o peixe. É assim na vida. Sem o conhecimento das coisas estamos tramados. Somos comida fácil para qualquer tubarão de passagem.

Posto isto, voltemos à campanha!

Cavaco, cavaqueia e pronto! É uma atitude que varia entre o auto elogio e o estar calado para não estragar o trabalho feito pelo staff. Depois, banhos de multidão, como se com isso se pudesse lavar o passado, tornando-o mais limpo e mais consentâneo com as necessidades do momento. É muito bom que os desmemoriados dos portugas não se lembrem dos desempregados, dos hemofílicos que morreram por incúria da sua ministra da saúde de então , a simpática drª Leonor Beleza, que pôs a sua mamã à frente do Instituto do Sangue sem ter a mínima habilitação para o lugar ( é bom esquecer para que Cavaco possa dizer que vai estar atento para este governo e os jobs e os boys sem corar de vergonha!), de que ele arruinou a indústria naval portuguesa, despedaçou a indústria vidreira, beneficiou os seus amigos banqueiros, os tais que não pagam impostos nem nunca pagaram, e que agora estão ( claro que estão!!!) à frente da sua campanha. ( peixe estragado )

Mário Soares vocifera, com os jornalistas ( e com alguma razão) e com Cavaco ( com a razão toda): Só que se esquece que a imprensa que ele diz discriminá-lo, outras vezes bem o beneficiou e ele aí disse nada, e mesmo agora outros candidatos muito mais têm para dizer e deles ele se está borrifando, e quanto a Cavaco muitas coisas há em que são muito coincidentes as suas posições, como por exemplo no apoio às políticas deste governo em exercício, ( que para mal dos que nele votaram lhes vendeu peixe estragado! ), ou como na sua visão da estratégia de Portugal na Europa, etc. ( peixe congelado!)

Mas pelo menos Soares não anda de cemitério em cemitério ou a beijar estátuas, em romaria fúnebre ( porteiro num Clube dos Poetas Mortos?) de poesia patética ( ou será patetice poética) como faz Manuel Alegre, para quem o futuro são as memórias dum passado de esquerda longínquo, quando ainda não havia orçamentos limianos nem se pensava em privatizar as águas! ( Vende peixe de viveiro!)

Essa história de que o hábito não faz o monge,pode ser verdadeira, mas não totalmente, e pelo menos tem dado resultado com Jerónimo de Sousa, vendedor ambulante de simpatia aos molhos, discurso minimalista para não espantar a caça ou revelar fraquezas, passando de ortodoxo lobo mau vermelho, para avõzinho da Capuchinha Encarnada, democrata sorridente e bonacheirão, aberto a todos os credos, tão longe daquele membro do Comité Central do PCP que votou a expulsão de camaradas de muitos anos de lutas, porque ousaram pensar de maneira diferente! ( caldeirada sem peixe)

E que anda a fazer Louçã perdido entre desertos de gente a discutir política? Que chato gajo, para quê chamar para aqui o desemprego, a guerra infinita e injusta movida por "Mister bush e seus macacos" em nome da Liberdade que pisam todos os dias, até no próprio país que dizem ser a pátria dela, da Liberdade, como se fosse possível a Liberdade ter pátria e não fosse o conceito de pátria redutor da liberdade, e ela própria, a Liberdade, a única pátria possível, ( se o Alegre lesse isto roia-se todo de inveja!!), para quê falar do Défice, da Segurança Social, para quê? Quererá ele acordar este país adormecido em sonhos de Euromilhões e Isabeis Figueiras (de preferência sem pendura ao lado!)? Por essas e por outras é que o proibiram de entrar na China, e receberam só para o chatear de braços abertos e ao mais alto nível o camarada Jerónimo! ( sardinhada)

Quanto a Garcia Pereira, o senhor dr. advogado lá anda em busca de mais clientes para o escritório, clientes assim género Pequito, que o possam levar de novo para a SIC fora da campanha eleitoral, que dá publicidade gratuita ao escritório. Diz ele que já duplicou o nº de eleitores nas sondagens desde que começou a campanha. Que bom! Quer dizer que a esposa já vota nele!
( nem peixe, nem batatas, nem restaurante, nem nada)

E agora só para chatear o dr Manuel Alegre, permito-me a citar aqui o grande Torga, que contràriamente ao que ele pensa não é dele nem da sua candidatura, mas sim nosso, de todos


os portugueses e portuguesas que não comem queijo limiano, nem na noite escura, nem nos dias claros, e que continuam a resistir e a cantar trovas ao vento.

"Livre não sou,.nem a vida mo consente.

Mas a minha aguerrida teimosia

é quebrar dia a dia

um grilhão da corrente"

Miguel Torga

Redfish


1 comentário:

Dama Pé de Cabra disse...

A liberdade passou por aqui...mas ninguém soube

Por estranho que pareça, Francisco Louçã esteve num jantar comício em Leiria, diga-se de passagem que muito concorrido, e os jornais calaram-se muito caladinhos....ainda pensei- bem calhou numa quarta-feira, já não dá tempo para sair no Jornal de Leiria ou no Região de Leiria desta semana-esperei pela semana seguinte e nada de novo....curiosamente os ditos jornais eram pródigos em informações sobre Cavaco Silva e, menos destacadamente é preciso que se note, acerca de Mário Soares e Manuel Alegre...é triste que os jornais que têm uma secção para dedicar às presidenciais, ignorem que existem mais candidatos e nomeadamente cheguem ao ponto de ignorar a passagem deles por Leiria e o impacto que causaram...estes jornais que das coisas mais comezinhas fazem notícia, não me posso esquecer da reportagem sobre uma gralha fugitiva que teve honras de mais linhas do que o BE teve no seu conjunto a propósito das presidenciais....Pois o que me move aqui não é qualquer partidarismo, mas sim a busca pela verdade e ética acima de qualquer parcialidade.

Estou cansada dos comentários distorcidos que não são de uma certa imprensa mas são de toda a imprensa....ou não esteja ela na sua quase totalidade nas mão de um grupo conotado com a direita....onde vai a liberdade de imprensa pela qual o meu avô e o meu pai, ambos jornalistas, lutaram? será que em 2006 estão já esquecidos os valores que tivémos como inalienáveis em 1974? andamos para trás como o caranguejo? caímos no obscurantismo... na idade média... estupidificados e vendidos por um salariozinho ao final do mês? lembram-se dos 24 do Diário de Notícias? recusaram submeter-se a uma ditadura, no caso do PC, através dessa sumidade que dá pelo nome "José Saramago"...todos com famílias, filhos....baixaram a cabeça? claro que não! estavam em jogo princípios para eles inalienáveis...princípios que esta imprensazinha medíocre nem sabe o que é...