segunda-feira, agosto 15, 2005



É natural que uma pessoa que tenha a

  1. sorte
  2. azar
  3. desdita
  4. ocasião
  5. espaço
  6. etc, etc (escolha o ou os que achar que lhe assentam melhor)

de nascer em Portugal, sinta de quando em vez a tentação de saber o que por cá se passa. É ponto assente que normalmente dê a ideia que não se passa nada a não ser obras, dessas do obras tu ou obro eu e que nada do que se faz nos interessa realmente e somos uns chatos do caraças por querermos saber essas coisas complicacadas demais para os nossos pequenos cérebros. Mas nos intervalos das magníficas telenovelas da TVI, ou dos sensacionais programas de humor da SIC, ou do extraordinário programa da manhã da RTP, às vezes dá-nos para isto e pronto, deita-mo-nos a falar dessas coisas enormes que se fazem ou que se vão fazendo, normalmente durante muito tempo e de molde a dar-nos cabo da paciência e da suspensão do carro.

Eu acho que essas obras não são todas iguais, por isso dividi-as em dois grupos :


As Grandes Fezes ( ver imagem) e as Pequenas Fezes ( já agora vejam tb a imagem).

Primeiro uma explicação: Chamo-lhes "fezes" porque tem a ver com fazer» fez» fezes. É simples.

O exemplo de uma das Grandes Fezes é o Estádio de Leiria. Emblemática, com visão à distância e muito colorida é um das sete novas merdavilhas do Mundo. Tem a vantagem de ser pouco usada e por isso corre o risco de nunca ir abaixo. A manutenção da coisa fica um bocadão mais cara que a implosão da dita, pelo que seria altamente recomendada. Mas como sugeriu um amigo meu, também podemos olhar para aquilo como castigo para quando os nossos filhos se portarem mal, (Portas-te mal e levo-te ao estádio!!) , mas também isso é perigoso pois as crianças podem ficar com traumas graves perante a visão.

O exemplo de Pequenas Fezes, vai para aquela rotunda dos paralelipípedos, ali mesmo à frente de outra das Pequenas Fezes que é a praça da Fonte Luminosa. A chtice é que aquilo fica ao ar livre e à vista de toda a gente. Eu achava bem que as arrumassem no Parque de estacionamento subterrâneo, assim como assim há lá espaço, e sempre ficava mais escondido.

Acho uma boa ideia esta de olhar para as coisas e classificá-las. Agora vou ver mais um programa cultural na TV com a Marisa Cruz e ver se fico rico. Depois juro que venho calssificar mais coisas. Façam o mesmo.

Cuecas Borradas

2 comentários:

Anónimo disse...

Dama Pé de Cabra

Pois é meu caro e fácilmente identificável amigo cuecas borradas...se eu não fosse uma senhora, de cabra só tenho o pé, assinaria por baixo do adjectivo inventivo com que medalhaste o estádio!
Não sei se reparaste na grande azáfama em todos os canteiros das inúmeras rotundas desta cidade...com a proximidade das autárquicas a Senhora Presidente resolveu também colocar placas em cima da relva, com os dizeres de que o espaço verde em questão não foi regado com água potável....e daí Senhora Presidente? a falta de água não se cinge apenas e só à água potável...se não se pode regar com água....olhe..regue-se com Champanhe e do bom...não se preocupe que não vai acabar como a Maria Antonieta!

Leiria em Cuecas disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.