terça-feira, agosto 09, 2005

Orçamento


Pois é! Obras faraónicas, negócios chorudos, grandes ordenados, grandes carros, estádios de futebol, rotundas aos milhares, assim se vai delapidando o dinheiro dos contribuintes.
Agora foi na CGD, que o PS para não ficar atrás do PSD resolveu dar um ar da sua graça e arranjar mais um tachito a um amigo. O simpático Armando Vara, presume-se que pelos seus lindos olhos porque habilitações não tem, é o novo colega da radiosa Celeste Cardona, para juntos e ao vivo colaborarem com fervor na grandiosa e patriótica missão de darem cabo da CGD. Assim, deixando de dar lucros, arranja-se motivo para privatizar a velha Caixa.
É notável o modo como eles se digladiam e depois são tão iguais.
E quando já não houver nada para privatizar? Onde colocarão eles estes seus fazedores de entulho?
E quando já não houver nem para o papel?

3 comentários:

alguém disse...

Mas já não há para papel, tinteiro e gasolina nas pequenas delegações da Segurança Social e Finanças. Assim como não há para detergentes e desinfetantes nas prisões, ou para gazes e pensosnos centros de saúde.

indio louco disse...

o/a alguém tem razão... não há dinheiro paraas coisas mais triviais para os trabalhadores... só é pena é que ainda haja para se pensar numa OTA, no TGV, para se dar um ordenado elevado ao politico x que é job, mais do que cidadão para que encha os bolsos disfarçando entregar-se a causa publica...
infelizmente em portugal há cada vez mais vampiros dos outros, nos seus monopilios de apatia, irresponsabilidade e delapidação negligentes.
infelizmente cada vez mais temos meios de comunicação que ao inves de informarem sobre o portugal que somos e formarem-nos para sermos melhores amanhã preferem intoxicar-nos com big-brothers, fieis ou infieis etc...abafando brutalmente o espírito crítico e a capacidade de acreditar, condições necessárias à cidadania activa que precisamos.

Alguém disse...

A Liliana detectou que há um negócio de venda de consultas no Centro de Saúde da Marinha Grande, ou seja, há pessoas que passam a noite no Centro de Saúde para marcar consultas que depois vendem.
Depois de ter escrito para os responáveis da saúde da Marinha Grande, Leiria, Governo civil, jornais, televisão e grupos parlamentares da Assembleia da República a expôr a situação, chegou agora a resposta do Ministério da Saúde - Sub-região de Saúde de Leiria onde, inacreditavelmente, admite ter conhecimento dessa prática e ter aconselhado os utentes a não pactuarem com ela.
aconselho que passem no blog www.marinhagrande2006.blogspot.com e apoiem a luta dos marinhenses contra esta prática que, provavelmente, é comum a todo o distrito de Leiria.