domingo, março 02, 2008

Não se pode estar em descanso que o Mundo não perdoa


Enquanto nós aproveitámos o fim de semana para recuperar forças, o mundo não parou. Esta semana promete!!! Começamos em Leiria com mais uma manifestação de professores. A Ministra mais contestada na actual conjuntura está fragilizada, mas será bom que se entenda que a sua possível demissão, em nada virá alterar as políticas deste governo, como aliás ficou bem patente no caso da Saúde.

Esta tem de ser uma luta por um melhor ensino, nao pode ser uma luta apenas dos professores, que têm razão nas suas revindicações, mas o que está em causa é todo o edifício em que está estruturada a escola pública.

4 comentários:

Anónimo disse...

Eu acho que a Ministra depois do apoio publico que teve do Major Valentim Loureiro tem a vidinha feita...agora não há quem ponha travão naquela mulher!

Anónimo disse...

A culpa pelo actual "estado de coisas" na Educação não é da Ministra A ou B ou do Governo Y ou Z...Há anos que as coisas estão mal e por culpa dos que por lá têm estado: os professores, os alunos e, principalmente, os pais!!! Sim, porque não houvesse tanta desresponsabilização por parte dos pais e, concerteza, o grau de exigência para com os professores e destes para com os alunos seria bem diferente...

pedro disse...

há anos num debate sobre toxicodependencia em que participei numa escola da Marinha assisti a um fenómeno paradoxal, quando questionados sobre os consumos de haxixe nas traseiras de uma escola os pais atiravam as culpas aos professores e os professores aos pais esquecendo-se que ambos são responsáveis pela educação daqueles que são seus filhos e alunos...
a problemática da educação é terreno fertil para aquilo que se chama dividir para reinar.
é-o em relação a todos os aspectos como organização dos programas e curriculuns, formas de avaliação... etc...
Este governo sabe-o bem e por isso é certeiro na contra informação... dasse a ideia de que os professores não querem ser avaliados, que são cassiques, que os pais estão desinteressados da educação dos filhos, enjaulam-se os filhos nas escolas em areas complemento de formação vazias muitas vezes de ligação com a realidade escolar e das comunidades, criam-se super estruturas chamadas centros educativos que afastam a escola da comunidade, atravancam-se os professores em tarefas burocráticas que desvirtuam a arte de ensinar e depois colocam-se uns contra os outros e saisse de fininho o que é sempre mais facil do que promover de uma vez por todas as reformas necessárias para que possamos formar aqueles que irão ser o cidadãos de amanhã.
É Necessária uma reflexão urgente sobre o país que somos e que queremos ser.. de uma vez por todas é necessária uma concertação civica e se necessário apartidária, é necessário debater o futuro e afrontar a classe política conformista, tachista e banal...
porque o país não espera e a forma como formarmos as crianças e os jovens de hoje é o legado que deixaremos para o futuro.

façam-se ouvir

Anónimo disse...

O Pedro tem razão. Os pais devem também assumir as suas responsabilidades na educação dos filhos, dentro e fora de casa, incluindo na escola. Brisa do Lis