segunda-feira, julho 28, 2008

Carta Aberta dos "Risitentes da Secla"

Carta aberta ao Exmo. Sr. Presidente da Câmara, Dr. Fernando Costa
Como deve ser do seu conhecimento, a Secla – Sociedade de Exportação e Cerâmica, S.A., que se dedica á fabricação de louça utilitária e decorativa, foi fundada em 1947, e desde então foi trilhando o seu caminho, até ser considerada no ano de 2003, a maior empresa de cerâmica utilitária e decorativa da Europa.

Tendo sido o maior empregador do concelho, chegando a ter ao seu serviço cerca de mil trabalhadores, registamos em termos médios no ano de 2000, 608 trabalhadores e foi esta a realidade que a actual administração da empresa (Engº Antº Galvão Lucas e Sr. Castelo Branco), herdou então.

Em 15 de Maio de 2006, após a primeira grande redução de pessoal na empresa, a administração afirmou ao jornal “O Primeiro de Janeiro” que, “nos próximos anos não teremos a necessidade de realizar mais nenhuma redução” e além disso, “estamos a par do que de melhor se fabrica no mundo nesta área e é aí que queremos continuar”.

No dia 16 de Maio do corrente ano, a administração afirma ao jornal “Público”, que a alienação do património da empresa avaliada em 11 milhões de euros, realizada já no decorrer deste ano e que serviu para pagar as dívidas da empresa, “Pôs tudo a zeros” e “Agora ou vai ou racha”, disse o administrador Engº Antº Galvão Lucas, “que acredita, apesar de tudo, na continuidade da empresa”. “A empresa agora poderá durar mais 20 anos”.

No entanto, logo no dia 3 de Junho foi comunicado verbalmente a todos os trabalhadores, que a empresa encerraria no dia 30 de Junho, por falta de encomendas.

Ora, quem viveu por dentro a Secla tem consciência que as forças macro ambientais, como a globalização, a concorrência dos mercados asiáticos, a retracção da procura, a sobrevalorização do euro e o elevado custo da energia, não são a causa principal do encerramento da empresa. Em nossa opinião estas ameaças não passam de meros problemas secundários.

Face ao exposto, perguntamos ao Sr. Presidente da Câmara porque apoia quem quer o encerramento da actividade da empresa, quando a Secla é um dos maiores empregadores do concelho e um dos melhores produtores de faiança do mundo, em vez de apoiar aqueles que ficarão no desemprego e que são os verdadeiros cidadãos do seu município?

Os caldenses elegeram-no Dr. Fernando Costa, como sinal de plena confiança e vendo em si, o garante da equidade para com todos os cidadãos do município e o senhor deveria ser o primeiro e também o maior defensor dos valores democráticos. Em vez disso, toma partido e assume o papel de porta voz da empresa, que tudo tem feito para esmagar os direitos dos trabalhadores, consagrados na lei, barrando a sua entrada na empresa, ignorando completamente os procedimentos previstos na lei para os despedimentos e desrespeitando a graduação creditória estipulada por lei, colocando-nos num patamar de menoridade em relação a todos os credores da empresa, sendo nós credores privilegiados, mesmo em relação ao estado.

Quem pode dar lições de moralidade, quando por exemplo, aliena património da empresa para pagamento de dívidas à Segurança Social, às Finanças e ao BCP, e diz que para indemnizar os trabalhadores, só tem dinheiro para pagar unicamente meio salário por ano de trabalho, tudo o resto é “para esquecer”, e afirma que o faz “dentro de um quadro de razoabilidade”?

O Sr. Presidente da Câmara, com o julgamento publico que faz de todos nós trabalhadores que não aceitamos a proposta da empresa e que continuamos a acreditar na empresa e na manutenção dos postos de trabalho, demarcou-se do seu papel de autarca e dá um sinal forte e claro, em como o poder económico determina e condiciona o poder político.

Os treze trabalhadores que teimam em defender os seus direitos, exigindo que a lei se cumpra, têm plena consciência que neste momento, estão a ser uma pedra no sapato, para sabe-se lá que intenções da administração da Secla. Agora, o que não nos passava pela cabeça, é que o Sr. Presidente da Câmara, também tenha o mesmo problema - a avaliar pelas suas declarações na imprensa - e ao não aceitarmos ser empurrados e espoliados dos nossos direitos, será que estamos também a atrasar o início de alguma obra?

Por isso apelamos a todos os caldenses que não se esqueçam de o julgar, no próximo acto eleitoral.

De acordo com a sua lei – “Os cidadãos são todos iguais, mas uns são mais iguais do que outros” – o que nós Resistentes lhe podemos prometer é firmeza e muita determinação nos nossos propósitos.

Tendo nós consciência de que a luta é muito desigual, gritamos com todas as nossas forças e em uníssono: A LUTA CONTINUA!!!



Os 13 Resistentes em Luta

4 comentários:

Anónimo disse...

É uma vergonha e sinto-me triste desse engº por ter parte do meu nome de familia.
O capitalismo é mesmo assim:selvagemmmmmmmmmmmmmm.É a sua natureza

Anónimo disse...

Mais uma vez quero enaltecer a coragem e a determinação destes trabalhadores e trabalhadoras que continuam, pese embora o poderio dos que enfretam, a fazê-lo de uma forma digna, e exemplar. A administração da Secla age de má fé desde o início do processo, o sindicato trai, e, cereja em cima do bolo, o Presidente da Câmara, mostra de que lado sempre esteve:
do dinheiro, contra os cidadãos.
Apelo a todos os caldenses de bem que se solidarizem com estes treze trebalhadores, que são um exemplo para todos nós, num momento em que o que parece ser regra é ser-se poltrão e lambe-cus, é ter-se um preço na consciência, e muito pouca dignidade.

Redfish

victor disse...

Como Caldense que fui e ainda mais na altura dos meus estudos fui aluno desse Sr. que se intitulava professor de história... Onde está a moralidade! Como consegue dormir descansado Sr Presidente de Câmara? estes treza trabalhadores e os outros da mesma empresa que foram enganados fazem parte do seu município... e as suas famílias também. Faça algo por elas pelo menos para salvaguardarem os seus direitos... Não seja canalha como os patrões da empresa...

victor disse...

Sr Prsidente da Câmara!
Precisa do local onde está instalada a Fábrica para Urbanização? Ou para fazer o prolongamento doCemitério para pôr a sua "campa" ou necessita fazer o seu "jazigo"
Apoie os 13 trabalhadores...