quarta-feira, outubro 25, 2006

Descubra as diferenças



Notícia bombástica: Os partidos concorrentes às eleições têm as contas ilegais. Aqueles que se apresentam para ser os governantes deste país e que exigem ao povo "ónesto" que tire das suas parcas economias um bom quinhão para sustentar este Estado chupista, quando chega a vez deles fazerem o mesmo, tá quieto, não o fazem e ainda arranjam desculpas, esfarrapadas a maior parte delas. Foi o bom e o bonito. Nos jornais e nas rádios, já para não falar na tv , era só gente do PS e do PSD com ar inocente a dizer "que bem queriam, pois, mas não foram capazes, mas para a próxima..."
E no fórum da TSF, e na Antena Aberta da Antena 1, foi ouvir o povinho, desde o empresário ao humilde trabalhador, passando pelo desempregado, e sem esquecer as donas de casa e outros mais que eu não lembro, a zurzir em todos os partidos da Direita à Esquerda, o mote foi o do costume, são todos iguais, uns bandidos que nos enganam e nós gente de bem, ( e pelos vistos burros como cerdos, porque andamos nisto há mais de 30 anos e ainda não fomos para lá nós fazer melhor, mandamos para lá sempre os mesmos!!!) é que sustentamos esta cambada, etc e tal.
Esta é uma das mais eficazes formas de manipulação informativa. 1-O facto: ilegalidades, irregularidades
2- Os autores: os partidos políticos que concorreram às eleições 3- Desmentidos e explicações: PS e PSD
Todos os outros não são ouvidos nem tidos em conta nos principais canais, na SIC Notícias todos os partidos com assento parlamentar foram ouvidos... todos? Não! Para a SIC o BE não conta. Mas passemos adiante e falemos do que deveria ser esclarecido.
1- Concorreram às eleições muitos mais partidos dos que os que têm deputados eleitos
2- Há enormes diferenças entre o dinheiro gasto pelos diversos partidos nas eleições, com o PSD, o PS e o
CDS a destacarem-se na despesa feita.
3- Há que definir a diferença entre ilegalidades e irregularidades, ou seja, entre actos ilegais e erros de ordem burocrática,por exemplo.
4- Houve partidos que apresentaram contas correctas. O BE, por exemplo. Houve quem não apresentasse contas, sequer!!!
5- A própria lei tem contradições e parece ser feita para não ser cumprida! Todos os partidos se queixaram dela. TODOS! Mas o PS e o PSD votaram nela, quando foi aprovada no Parlamento. O BE foi contra.
Agora, é baralhar e tornar a dar. Tudo esclarecido e nem todos os Partidos nem todos os políticos seriam tão iguais como nos querem fazer crer!!

Não pretendo aqui ser advogado de defesa de ninguém, nem para tal fui encomendado. Apenas pretendo abrir mais uma vez a discussão. A quem serve esta imprensa? A quem interessa a descridibilização da política?

Redfish

4 comentários:

Atento disse...

Da imprensa tenho eu uma visão miseravel,mais nada a dizer, agora a questão é esta: Todos os partido com acento na AR tinham as contas truncadas? Se sim, meu caro Red nada há a dizer, porque a diferença entre irregularidades e ilegalidades é só uma questão de semântica. È vir a terreiro brandir espadas de vento contra estatuas de sal.
Sou
Atento

menchevique disse...

Do comentário do "Peixe Vermelho" a que análisar duas questões distintas, sob pena de confudirmos a demagogia da imprensa das multinacionais, com a demagogia dos partidos políticos.
1 - Questão 1
Porque é que os partidos não conseguem cumprir com a forma de apresentação de contas, que se resume de uma forma muito simples a um sistema em que tudo o que é recebido, tem uma origem determinada e é depositado em conta no banco, tudo o que é pago tem que ser por via de cheque do banco. Quando há uma fiscalização a uma sede ou acções de campanha, e que sejam detectadas existências não justificadas e declaradas, é levantado um incumprimento. É tão dificil fazer isto!
2-Questão 2
Há de facto uma tendência de opinião, que pretende impingir a chamada imprensa tendenciosa. Este principio elaborado pelo "guru" José Manuel Fernandes, pretende instituir imprensa declaradamente com tendências, aliás como se passa na Inglaterra, onde há jornais afectos ao partido trabalhista e jornais afectos aos conservadores, que podem inclusivé fazer campanha declarada! É este o expoente máximo do corporativismo, as multinacionias, através dos media, a promoverem e instituirem os seus interesses, através de uns patétinhas que até governam e fazem umas campanhas e tal...mas que não têm competência para apresentar contas objectivas e direitas.

Leiria em Cuecas disse...

Pelo que eu li e ouvi não se falou em partidos com assento na AR, mas sim em todos os Partidos concorrentes. Para vos dar uma ideia de como não é fácil para quem tenha estado na campanha o cumprir sem erros ( e torno a distinguir o erro da intenção dolosa de errar), basta dizer que a lei entrou em vigor 1 mês antes das eleições, mas que permitiu incluir despesas de 6 meses antes do acto eleitoral em que obedeciam os justificativos a outros processos. O que não me deixa no entanto dúvidas de que sendo os processos transparentes e correctos não haveria lugar a qualquer suspeita de ilegalidade.

Redfish

Leiria em Cuecas disse...

Caro Atento :

Por exemplo : apresentar uma receita com fotocópia do original é uma iregularidade, que pode ser sanada com a entrega do original, ficando assim o processo "legalizado"; colocar nas contas da campanha (como fez, por exemplo o PS)dinheiros recebidos depois daquela —o que inivitávelmente nos leva a desconfiar de tal benesse!— é uma ilegalidade, que como é óbvio não pode nunca ser sanada.
Desculpe a pergunta : pensa que as duas situações são só diferentes por questões de semântica?
Ceroulas "persuasivo"